quinta-feira, 4 de julho de 2019

Desamor e traições na política no médio Mearim


João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. O poema do inesquecível Carlos Drummond de Andrade lembra um pouco o tema a ser discutido aqui. O amor não correspondido de alguns de políticos lembra “Quadrilha”, estes lindos versos do poeta – que fique bem claro.
Não são poucos os fulanos que traíram sicranos ao longo da História. A síndrome de Frankenstein – da criatura que se volta contra seu criador – é recorrente. O exemplo clássico é Judas – que pelo menos se arrependeu – depois de trocar a confiança de Jesus por 30 moedas de prata. Cerca de 70 anos antes Brutus traíra Cesar. 1789 anos depois de Cristo, Joaquim Silvério dos Reis faria o mesmo com Tiradentes – embora houvesse a atenuante de ele não ser brasileiro. Mas o fato é que pupilos traem seus mestres
Na nossa região médio Mearim, temos exemplos claros de traição, por não aguentarem ser comandando pelo chefe indicador do sucessor eleito. Em Esperantinópolis, o Chico Jovita colocou seu primo Mauro jorge, que dias depois da eleição meteu os pés no seu chefe indicador e governou sozinho. 
Em igarapé grande, o Breado maior líder político, indicou Jeames,  dias depois a eleição o mesmo se rebelou contra o seu indicador e apioador Breado. 
Em lago dos Rodrigues,  não foi diferente,  Valdemar da Serraria indicou  Edjacir seu braço direito, eles eram a tampa e a panela, carne e unha. O troco que Valdemar pegou foi um chute na bunda . Lago da Pedra, Maura Jorge elegeu seu vice Laércio Arruda, mas hoje faz parte de um caro exemplo de traição,  resistiu apenas 30 dias e logo quebrou o elo de AMOR .
Poção de Pedras caminha nesse rumo, vem aí sucessor de Cascaria, que não confia a vaga de sucessor a outro se não for o seu primo Francisco, mas a história não se repetirá porque o rumo muda com a perda nas urnas.
No entanto, se Francisco fosse eleito, será se trairia o seu indicador?

4 comentários:

  1. Acredito que não trairia seu indicador.

    ResponderExcluir
  2. Tem rumo!Tem rumo! Tem rumo!

    ResponderExcluir
  3. E o locutor que se vendeu a preço de banana estará morto e arrependido de ter cuspido no prato que comeu.
    Quando o mesmo Francisco estiver no poder. O choro é livre locutor. Kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem jeito pra Francisco quem é esse perdido no meio povo ou da tempestade

      Excluir

Situação em desespero, candidato que não decola

Já vimos várias matérias falando que  o candidato da oposição nunca decolou, mas sabemos que isso não passa de desespero da situação.  Q...